Tragédia em Linhares: corpos de irmãos são identificados e liberados

Os corpos dos irmãos Kauã, 6 anos, e Joaquim, 3, mortos carbonizados em um incêndio em Linhares, no dia 21 de abril, foram identificados e liberados no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória nesta segunda-feira (07).

No dia 23 de abril, o pastor George Alves e a esposa, a pastora Juliana Salles, colheram material genético no DML para ajudar na identificação das crianças. O pai de Kauã, o comerciante Rainy Butkovsky, 31, também foi ao DML.

Na ocasião, muito abalada, Juliana ficou o tempo todo ao lado do marido, mas preferiu não dar declarações à imprensa. Na saída do DML, o pastor George relembrou os últimos minutos ao lado das crianças e o desespero na tentativa de socorrê-las.

Além do exame de identificação dos corpos, os médicos legistas fizeram uma necropsia para saber se as crianças foram agredidas ou dopadas antes do incêndio. A conclusão desse exame ainda não foi divulgada pela Polícia Civil.

INVESTIGAÇÃO MOBILIZA TODA A POLÍCIA DE LINHARES

A investigação do incêndio que matou os irmãos Kauã, 6 anos, e Joaquim, 3, tem mobilizado toda a Polícia Civil de Linhares. Em reunião na manhã desta segunda-feira (07) na 16ª Delegacia Regional do município, o secretário de Estado da Segurança Pública, Nylton Rodrigues, e o delegado geral da Polícia Civil, Guilherme Daré (veja a entrevista abaixo), afirmaram que a polícia tem trabalho para encontrar “a verdade real dos fatos”.

A reunião com o delegado Romel Pio de Abreu Júnior, responsável pela investigação do caso, também contou com a participação do delegado André Jaretta e da superintendente de Polícia Regional Norte (SPRN), a delegada Andreia Maria Pereira do Santos. O encontro terminou por volta das 10h.

“Toda Polícia Civil de Linhares está direcionada para resolver esse caso. Não só os delegados, mas os peritos, médicos legistas, com apoio do Corpo de Bombeiros e do Ministério Público. A Polícia Civil faz um trabalho excelente, as investigações vão apresentar um resultado satisfatório com relação a aquilo que se busca, que é a verdade real dos fatos”, afirmou Guilherme Daré.

CONCLUSÃO DO INQUÉRITO

O secretário de Segurança e o delegado geral da Polícia Civil preferiram não dar um prazo para a conclusão das perícias e do inquérito que investiga a morte dos irmãos. Mas, de acordo com o delegado-chefe da Polícia Civil, as perícias estão em fase de conclusão.

“Estamos na fase de conclusão das perícias, que depende de algumas informações e não se descarta outras investigações por parte dos policiais. O importante é que a polícia faz um trabalho sério com o objetivo de buscar a verdade dos fatos, e ninguém será poupado se realmente o fato for comprovado. A polícia busca apurar as infrações penais e a autoria. Não podemos revelar nada enquanto os delegados aqui de Linhares não concluírem o inquérito junto com a perícia dos Bombeiros, da Polícia Civil e com o laudo do médico legista”, explicou Daré, antes de ser completado pelo secretário de Estado da Segurança Pública.

“As investigações e as perícias ainda estão acontecendo para que a Polícia Civil possa elucidar por completo esse caso. A Polícia Civil já tomou todas as providências que deveriam ser tomadas, todas as investigações e perícias possíveis estão sendo realizadas, para que em um momento próximo a Polícia Civil possa apresentar o resultado das investigações. A PC está trabalhando para que se chegue a um final esclarecedor”, concluiu o coronel Nylton Rodrigues.

PRONTUÁRIO NÃO RELATA QUEIMADURAS

O prontuário médico do pastor George Alves no Hospital Geral de Linhares (HGL), atendido  na manhã de 21 de abril, poucas horas após um incêndio que provocou a morte dos meninos Kauã e Joaquim – respectivamente enteado e filho do suspeito -, não traz nenhuma informação sobre queimaduras. O documento vazou na internet neste sábado (5).

Segundo o prontuário, George disse que inalou fumaça, e uma anotação informa que ele “está em choque”. O pastor não relatou ter sofrido queimaduras. No entanto, em entrevista dois dias após a tragédia, ele contou que, na tentativa de salvar os meninos, teve queimaduras nos cílios e nos pés. Já o exame de lesão corporal apontou uma pequena bolha do tamanho de uma moeda em um dos pés dele.

O prontuário aponta que George foi atendido às 6h14 do dia 21 de abril. Além disso, mostra que o pastor se queixou de “crise de nervos” e avisou que é diabético. No documento, está escrito “o paciente relata perda de dois filhos em acidente com fogo”.

Procurada, a assessoria da Prefeitura de Linhares confirmou que o prontuário vazado é oficial e esclareceu que o documento tem caráter sigiloso. Além disso, informou que uma cópia do Boletim de Atendimento de Urgência foi fornecida para ser anexada ao inquérito policial, atendendo a uma determinação da Justiça.

A nota ainda pontua que “apenas as autoridades policiais e os advogados que atuam no caso poderiam ter tido acesso ao conteúdo do documento”. A assessoria também informou que uma sindicância interna será aberta para apurar o vazamento do prontuário.

“Caso fique comprovado o envolvimento de qualquer profissional do HGL, a direção irá tomar as medidas administrativas necessárias em torno do caso, que podem resultar em pena de demissão e remessa de cópia do processo administrativo ao Ministério Público do ES para apurações criminais”, ressalta a nota da prefeitura.

CÂMERA MOSTRA PASTOR E ESPOSA EM LANCHONETE

O pastor George Alves, que está preso após o incêndio que matou os irmãos Joaquim e Kauã – filho e enteado dele, respectivamente -, na madrugada de 21 de abril, esteve em uma lanchonete no dia da tragédia (veja o vídeo abaixo). Um vídeo obtido com exclusividade pela TV Gazeta Norte mostra o pastor no local com a esposa, a pastora Juliana Salles – que voltou de viagem assim que soube das mortes dos filhos-, o filho mais novo do casal e membros da Igreja Batista Vida e Paz, por volta de 22h45, após um culto na noite daquele sábado.

As imagens mostram que o pastor manca e apoia os braços. Ele está vestido com camiseta preta, bermuda verde, usa chinelos e está com os pés enfaixados. Após entrar na lanchonete, George é abordado por um homem, que o abraça longamente. Em seguida chega uma mulher, que também abraça o pastor e os três conversam um pouco.

Depois, George dá a volta na mesa onde já estavam sentados os fiéis da igreja e Juliana. Um tempo depois, é possível ver o pastor segurando o filho mais novo nos braços e caminhando normalmente pouco antes de entregar o menino à esposa.

Em entrevista, o pastor havia dito à imprensa que, na tentativa de salvar Joaquim e Kauã durante o incêndio, queimou as mãos e os cílios. Já o exame de lesão corporal apontou uma pequena bolha do tamanho de uma moeda em um dos pés de George.

George está no Centro de Detenção Provisória de Viana II, após pedido de prisão preventiva expedido pelo juiz Grécio Grégio. Autoridades afirmam que o pastor estava atrapalhando as investigações sobre o incêndio que vitimou as duas crianças.

Com informações da TV Gazeta Norte

CLOSE
CLOSE
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com