Conheça quatro cidades das montanhas capixabas para fazer um bate-volta

Não encontrou vaga em pousada ou não tem tempo? Faça um bate e volta e conheça as belezas do Espírito Santo

Você sabia que dá para conhecer alguns destinos do Espírito Santo fazendo um simples bate-volta? Há muitas cidades que você pode conhecer sem pernoitar. As vezes você não encontrou hotel na aquela data, ou simplesmente quer fazer um programa diferente no final de semana ou feriado sem ter que dormir na cidade. Veja as opções que listamos para você:
Venda Nova do Imigrante
Foto: DivulgaçãoCachoeira do Alto Bananeira, em Venda Nova do Imigrante

Casas Coloniais – Venda Nova possui 17 casas do século XIX, feitas de estuque, assoalho de madeira, engradamento em palmito e telhado colonial. A casa dos Scabelo, construída em 1825, é a mais antiga do município.

Cachoeira do Alto Bananeira – Cachoeira com sete quedas entremeadas na Mata Atlântica. Acesso no km 106 da BR 262, mais 4,8 km de estrada.
Casa da Cultura – Possui museu com mais de 600 peças que contam a saga da colonização italiana em Venda Nova, iniciada em 1892. Centro da cidade. Funciona de segunda a sexta, de 8 às 17h.
Caxixe Frio – A paisagem deste lugar é encantadora, com vista para o Forno Grande e Pedra Azul, em Domingos Martins, é a localidade mais elevada do município em relação ao nível do mar. Esta região é a maior produtora de morango e hortaliças do estado. Acesso no km 98,5 da BR-262.
Morro do Filleti – Com 1.110 metros de altura, este morro também possui rampa para decolagem de asa delta e parapente. O acesso é fácil para qualquer veículo e o local é apropriado para caminhadas. Entrada no km 99,2 da BR 262, a 6 km da sede.
Precisa de alguma informação? Basta ir até o posto de informação ao turista de Venda Nova do Imigrante que fica logo na entrada da cidade, bem em frente à Rodoviária.
Santa Teresa
Casa Lambert – Construída no ano de 1875 pelos irmãos e imigrantes italianos Antônio e Virgílio Lambert, é tombada como Patrimônio Estadual desde 1989. Hoje funciona como Museu, contando um pouco da história da Família Lambert e da imigração italiana no Município. Em frente à residência encontra-se a Capela de N. Sª. da Conceição, de 1898. A visita pode ser feita de quinta a domingo, das 9h às 12h, e o valor é de R$ 2,00.
Rua de Lazer – Assim denominada, a Rua Coronel Bonfim Júnior, localizada no Centro da cidade, caracteriza-se pelos seus belos e antigos casarios da época da colonização. Além de sua característica histórica, hoje é uma ótima opção de lazer e e na gastronomia.
Museu de Biologia Professor Mello Leitão – O Museu Mello Leitão reúne um conjunto de ambientes e edificações, além de um parque arborizado com 30.000 m2. Um jardim rupestre, os viveiros de animais e o serpentário, os pavilhões de botânica e de zoologia, com animais empalhados. A entrada é franca e a visita pode ser feita de terça à domingo, de 8h às 17h.
Rampa de Voo Livre – Situada a 900m de altitude, seu acesso é feito por 9 km de rodovia não-asfaltada. Próxima ao local de observação do vale encontra-se a Igreja Nossa senhora do Caravaggio.
Galeria do Artesanato – A Associação de Produtores de Artesanato de Santa Teresa (APROAST) reuniu num único lugar tudo o que é produzido na região, de vinho a bordados. Funciona todos os dias das 08h às 18h. Fica ao lado da Estação Rodoviária na saída para a Rodovia que liga Santa Teresa ao município de São Roque.
Cantina Mattiello – Um bonito imóvel, que lembra uma autêntica cantina italiana, abriga a sede de uma das vinícolas mais famosas de Santa Teresa. Lá  você pode adquirir os vinhos e licores produzidos pela família Mattiello.
Claid’s Biscoitos – Com mais de 20 anos de existência, ela produz os mais variados biscoitos, como os famosos casadinho, biscoitinho de nata e torta todesca. A fábrica fica bem na entrada da cidade. Junto a ela foi construída uma grande loja para venda e degustação dos produtos (há outra lojinha bem no centro da cidade, na rua do Museu Mello Leitão).
Domingos Martins / Pedra Azul
Foto: DivulgaçãoPiscinas naturais do Parque da Pedra Azul, em Domingos Martins

[ad name=”HTML”]

Casa da Cultura – Foi inaugurada em 1983 e tombada pelo Patrimônio Histórico Estadual em 1986. No local funciona o Museu  Histórico de Domingos Martins, com acervo de livros, documentos, fotografias, móveis, utensílios domésticos relativos à colonização alemã e italiana do município.

Cascata do Galo – Localizada na estrada do Galo, a 10km da Sede, a cascata do Galo possui uma queda de 70m de altura.
Estação Germânia – Inaugurada em 1900, a Estação Germânia da Companhia Inglesa Leopoldina Railway CO. ligava Vitória ao Rio de Janeiro. O passeio Trem das Montanhas Capixabas passa pelas cidades de Viana, Vale da Estação, Marechal Floriano, Domingos Martins e Araguaia.
Praça Dr. Arthur Gerhardt – Um dos principais cartões postais da cidade com canteiros, lago de peixe, miniatura de quitungo (fabricação artesanal de farinha de mandioca). É na Praça Arthur Gerhardt que acontece a maioria dos eventos.
Parque Estadual da Pedra Azul – Além das trilhas que levam a cachoeiras e piscinas naturais, o parque abriga o cartão-postal da serra capixaba – a Pedra Azul. As visitas à área são feitas somente com o acompanhamento de guias e é preciso agendar com antecedência. O parque fica a 50 quilômetros do Centro de Domingos Martins e os passeios são gratuitos.
Rio da Montanha – Localizada as margens do rio Jucu, o Rio da Montanha é o pioneiro em rafting no Espírito Santo e organiza saídas há mais de 12 anos. É um divertido passeio pelas corredeiras de um rio preservado, no coração da sempre exuberante mata atlântica. Mais informações no sitewww.riodamontanha.com.br#sthash.VcUuGGVC.dpuf .
Fjordland (Cavalgada Ecológica) Único lugar no Brasil onde você pode conhecer cavalos da raça Fjord. São noruegueses, conhecidos por serem dóceis e fortes. O Fjordland (Terra dos Fjords) fica poucos metros depois do km 2 da Rota do Lagarto. Fica literalmente de frente para a Pedra Azul.
Foto: DivulgaçãoRio das Montanhas, em Domingos Martins

Alfredo Chaves / Matilde

Rapel na Cachoeira de Matilde – Considerada uma das mais bonitas do estado, neste cenário é feito um rapel de 45 metros, com o maior trecho em descida negativa, ao lado da grande queda.
Estação Ferroviária de Matilde – Seguindo os trilhos, é possível conhecer o “Túnel Encantado”, uma antiga construção com 65 degraus de pedra, que serve de passagem para a água. Ele foi contruído para amortecer o fluxo das águas do rio Novo de Matilde que passa por baixo da ferrovia. Os visitantes consideram a descida uma aventura, sempre seguindo a luz ao final, onde há uma pequena piscina natural.
Foto: DivulgaçãoCachoeira do Engenheiro Reeve, em Matilde

Prainha – Apesar da nome Prainha, a água que passa pelo local não é salgada. É uma área rasa do rio Novo de Matilde, ideal para o banho, e uma faixa de areia deixa o visual com a “cara” do litoral. Os turistas costumam colocar sombrinhas de praia e cangas na areia. Há também um restaurante self-service no lugar.
Cachoeira Engenheiro Reeve – O contato com a natureza começa desde o início da passarela de acesso, que corta um trecho de mata preservada. Ao final do caminho há um mirante, onde os visitantes podem apreciar de perto a queda d’água e sentir as gotículas que chegam com o vento. É a maior cachoeira em queda livre do Espírito Santo, tem 63 metros.
Rampa de vôo livre – No distrito de Cachoeira Alta, a rampa de Vôo Livre é a atração de muitos pilotos de origem nacional e internacional. Inaugurada em 1982, a rampa está distante 9 Km da Sede de Alfredo Chaves. Tem uma altitude de 465 metros.
[ad name=”HTML”]

CLOSE
CLOSE
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com