Polícia interdita depósito de carvão onde pessoas foram encontradas em condições de escravidão

A Delegacia de Meio Ambiente interditou um depósito de carvão, na manhã desta quarta-feira (11), que funciona dentro de uma casa em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio, em uma área totalmente residencial. Como mostrou o RJTV, o local descumpre várias regras da licença ambiental.




Na sede da Pinga Fogo Comércio Varejista de Carvão Vegetal, uma empresa de embalagem e empacotamento de carvão que tem 20 funcionários. Nenhum deles tem carteira assinada e todos confirmaram condições insalubres de trabalho.

Segundo um dos trabalhadores, a máscara utilizada por eles não é suficiente para proteger da poeira. “Aí é cuspir carvão o dia todo”, diz o trabalhador ao explicar as condições que volta para casa.




“A gente sente ne respiração forçada, mas temos que trabalhar também né. Não adianta questionar esses termos porque temos que buscar alguma coisa para levar para casa”, afirmou outro trabalhador.

Os funcionários recebem R$ 0,70 por cada saco de três quilos de carvão embalado. Isso dá uma média de R$ 280 por mês de salário.

“Nós encontramos funcionários trabalhando em condições insalubres, quiça até, análogas a escravos aqui. Falta material para ela, o local onde ela tem que ficar é bem ruim, o carvão está num local sem qualquer tipo de refrigeração que possa arejar isso aqui, isso pode pegar fogo e comprometer a vizinhança aqui”, afirmou o delegado Roberto Gomes.

A polícia chegou até a empresa graças a uma denúncia dos moradores da região, que procuraram o RJTV e mandaram imagens mostrando móveis e azulejos totalmente pretos por causa da fuligem.

Segundo os peritos, os equipamentos que deveriam retirar a poeira e filtrar o ar respirado no galpão não funcionam. Foram flagradas várias irregularidades no local.

“Ele possui uma licença ambiental pra atividade, só que na licença ambiental existe algumas condicionantes que ele não cumpre todas. Por exemplo, ele não tem o filtro em funcionamento pra diminuir o particulado lançado pra atmosfera. Ele não faz a limpeza do piso, que tinha que ser impermeável”, explicou o perito Diogo Santana.

A polícia interditou a empresa até a semana que vem, quando será feita uma nova perícia no local. O responsável pelo galpão negou qualquer irregularidade e disse que está cumprindo todas as exigências.

Comentários

Comentários




CLOSE
CLOSE