Após seis aumentos seguidos, Petrobras irá rever método de reajustes do gás de cozinha

Dois dias após o sexto reajuste consecutivo nos preços do gás de cozinha, que no Espírito Santo elevou em 68% o valor do botijão de 13 kg, a Petrobras anunciou que irá rever a metodologia que vem sendo aplicada desde junho aos reajustes do GLP de uso residencial.




De acordo com a empresa, embora os preços praticados no Brasil devam ser equivalentes ao valor internacional, o mercado de referência (butano e propano na Europa) está apresentando alta volatilidade nos preços devido ao inverno. “Dessa forma, a correção aplicada esta semana foi a última realizada com base na regra vigente”, explicou em nota a Petrobras.

“O objetivo da revisão será buscar uma metodologia que suavize os impactos derivados da transferência dessa volatilidade para os preços domésticos, sem perder de vista, de um lado, a necessidade de praticar preços para o GLP referenciados no mercado internacional, e, de outro a Resolução do Conselho Nacional de Política Energética, que reconhece como de interesse para a política energética nacional a comercialização de produto destinado exclusivamente a uso doméstico com preços diferenciados e inferiores aos praticados para os demais usos”.




A Petrobras ressaltou que a revisão se aplicará exclusivamente ao GLP de uso residencial, comercializado em botijões de 13 kg, e não terá reflexo sobre os demais derivados comercializados pela Petrobras.

Comentários

Comentários




CLOSE
CLOSE